Prêmio Caio Sustentabilidade

Prêmio Caio 16ª Edição

Case: FLINK SAMPA E TROFÉU RAÇA NEGRA 2016
Candidato: Alternativa F
Cliente: Afrobras | Faculdade Zumbi dos Palmares
Segmento: Eventos
Estado: SP
 
Capa Apresentação Conteúdo Apresentação de inovações tecnológicas e estratégias indicando Desafios e Soluções Retorno sobre investimento, geração de negócios e outros indicadores econômicos

Uma agência. Duas cabeças. Várias alternativas.
Esse é o ponto de partida quando se quer entender o fenômeno desenvolvido por uma nova forma de pensar eventos: a Alternativa F. Criada por dois renomados nomes do mercado, Felipe Lemos e Ana Nani, a agência boutique nasceu da necessidade de fazer diferente frente à concorrência e de oferecer uma criação fora da caixa.

Com o objetivo de ser o remédio anti-insônia e estresse em eventos corporativos, a agência se diferencia por oferecer eventos de grande qualidade, independente do porte e objetivo, em todo o Brasil e nos mais variados pontos do mundo. Só nos últimos anos esteve presente, produzindo seus projetos, em território nacional, em locais como Brasília, Foz do Iguaçu, Salvador, Goiás e Belém. E também em destinos internacionais como Argentina, Orlando, Lisboa, Miami, Cape Town, Porto Rico e Cancun.

Criatividade e inovação, atendimento sênior personalizado, credibilidade, segurança, ótimo custo-benefício e uma entrega de qualidade que supera as expectativas. Não precisa escolher entre uma ou duas opções. Com escritórios no Rio de Janeiro e em São Paulo a Alternativa F oferece todos esses diferenciais em uma só agência.

Os Clientes:
A Afrobras é uma organização não governamental que reúne intelectuais, autoridades e personalidades, negras ou não, para trabalhar pela inserção socioeconômica, cultural e educacional dos negros brasileiros e a Universidade Zumbi dos Palmares é a primeira faculdade da América Latina que tem por objetivo a inclusão de negros na educação superior. Criada em 2003, oferece cursos de administração, direito, pedagogia, publicidade e propaganda e tecnologia de transporte.

Os Eventos:
Com os principais objetivos de criar espaço de reflexão e análise sobre a cultura negra e destacar as personalidades que contribuíram para a construção de uma sociedade melhor e igualitária, a Faculdade Zumbi dos Palmares e a Ong Afrobras contrataram a Alternativa F para organizar os principais eventos públicos de responsabilidade social que aconteceram na semana da Raça Negra em São Paulo: a FlinkSampa: Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra e o Troféu Raça Negra.

Confira as informações detalhadas sobre os eventos a seguir:

FlinkSampa
Local: Memorial da América Latina
Período de realização: 18 e 19 de novembro
Visitantes: Cerca de 1.500 por dia

Troféu Raça Negra
Local: Sala São Paulo
Período de realização: 21 de novembro
Participantes: 1.300 pessoas

Vídeo


Os eventos de Responsabilidade Social aconteceram durante a semana da Consciência Negra e detalharemos nossa operação em cada um deles a seguir:

***FlinkSampa

Idealizada pela Faculdade Zumbi dos Palmares e pela ONG Afrobras, a FlinkSampa – Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra ganha, a cada edição, ainda mais força e visibilidade para colocar em prática aquilo que motivou a sua criação: ser um espaço de reflexão e análise sobre a cultura negra, os direitos desta parte da população, tantas vezes marginalizada e esquecida, e sua luta para conquistar os direitos esquecidos ao longo de uma história marcada por injustiças e subordinação econômica.

O orgulho das raízes africanas e desta rica cultura – nos mais variados aspectos e segmentos, da literatura à moda – é o principal motor deste evento, realizado anualmente no Memorial da América Latina durante a semana da Consciência Negra. Todas as ações realizadas tiveram por objetivo ampliar o debate sobre o que é ser negro no Brasil, explorando a multiplicidade de pensamentos de um povo muitas vezes ignorado.

Em 2016, o evento foi realizado entre os dias 18 e 19 de novembro. E a programação incluiu debates literários com autores brasileiros e estrangeiros, lançamento de livros com sessões de autógrafos, espetáculos de teatro e de dança, exibição de filmes, oficinas de moda e beleza e atividades especiais para crianças.

A FlinkSampa teve como lema “Eu quero Liberdade”, em referência ao direito do negro à liberdade física, de expressão individual e coletiva, de exercer qualquer trabalho ou profissão e, sobretudo, ao direito de ir e vir. O negro tem toda a liberdade de se movimentar em um mundo em que muitos ainda são hostilizados, presos e até mortos, sem razão alguma.

Como todo ser humano, o negro merece que o Estado garanta a sua liberdade e a sua proteção efetiva quando da violação de direitos individuais e coletivos. Da mesma forma, faz jus à proteção da segurança nacional, da ordem pública, da sua saúde e da sua integridade moral. O negro tem o direito de ver preservada a sua dignidade enquanto pessoa humana em uma sociedade democrática e pluralista. Em uma sociedade livre, todos têm o direito de constituir família, trabalhar, ter lazer e manifestar, livremente, opiniões, ideias e pensamentos. Por isso, a FlinkSampa foi um espaço privilegiado de defesa desses direitos e manifestação da liberdade de expressão.

A homenagem a Luiz Gama:
O homenageado do ano foi Luiz Gama, o advogado dos oprimidos. Sua história de vida, por si só, é exemplo de persistência na busca de uma formação educacional, de obstinação em defesa de seus ideais e luta pela liberdade. Luiz Gama nasceu livre, em 1830, na Bahia, em plena era da escravidão no Brasil. Filho da negra Luiza Mahin, a qual participou de diversas insurreições de escravos; aos 10 anos, foi vendido como escravo pelo próprio pai, um fidalgo português. Luiz Gama alfabetizou-se como pôde, escapou do cativeiro e tentou ingressar no Curso de Direito do Largo do São Francisco. Por ser negro, enfrentou a hostilidade de professores e alunos, mas persistiu como ouvinte das aulas. Não concluiu o curso, mas o conhecimento adquirido permitiu que dedicasse sua vida à defesa jurídica de negros escravos.

Nos Tribunais, usando de sua oratória impecável e de seus conhecimentos jurídicos, conseguiu libertar mais de 500 escravos, algumas estimativas falam em 1000 escravos. As causas eram diversas, muitas envolviam negros que podiam pagar cartas de alforria, mas eram impedidos pelos seus senhores de serem libertos; outros haviam entrado no território nacional como escravos após a proibição do tráfico negreiro em 1850. Luiz Gama também ganhou notoriedade por defender que, ao matar seu senhor, o escravo agia em legítima defesa.

Luiz Gama foi um dos maiores líderes abolicionistas do Brasil. Sempre esteve engajado nos movimentos contra a escravidão e a favor da liberdade dos negros. Devido à sua luta a favor da libertação dos escravos, era hostilizado pelo Partido Conservador e chegou a ser demitido do cargo de amanuense por motivos políticos.

Em 1880 foi líder da Mocidade Abolicionista e Republicana. Projetou-se na literatura com poemas que satirizam a aristocracia e os poderosos de seu tempo. Hoje, é reconhecido como um dos grandes escritores da segunda geração do romantismo brasileiro.

A estrutura do evento e a programação:
Para compor todas as atividades do evento, junto com a empresa CRM, organizamos setores para delimitar as áreas. Esses setores serão explicados abaixo:

- Seminário
Local: Campus Memorial da Uninove
Através de uma curadoria de professores e personalidades do meio, o Seminário tratou o tema abordando discussões e debates sobre a Mulher Negra e Liberdade, Política e Liberdade, Viver em Liberdade: a Questão dos Refugiados no Brasil, Liberdade e Trabalho, Liberdade de Expressão e de Imprensa, Liberdade Religiosa, Educação para Liberdade e Violência e Liberdade. Abaixo, alguns dos especialistas que participaram dos Debates:
Dom Eduardo Vieira dos Santos, Bispo da Igreja Católica em São Paulo
Dr. Humberto Adami, Mestre em Direito e Presidente da Comissão da Verdade sobre a Escravidão Negra
Dr. Mario Lisboa Theodoro, Doutor em Economia pela Universit Paris I Sorbonne
Dra. Aldenir Dida Dias, Doutora em Ciências Sociais pela PUC
Jose Berenguer, Presidente do Banco JP Morgan
Valéria Almeida Jornalista, trabalha no Profissão Repórter da TV Globo

- Literatura
Local: Biblioteca Victor Civita
Carro-chefe da programação, a Festa Literária reuniu diversas atrações com foco na produção literária de autores negros, lançamentos de livros e na reflexão e diálogo a respeito de questões referentes à história, gênero e conteúdo literários de grande relevância. A curadoria de Literatura da quarta FlinkSampa ficou a cargo da professora e escritora Guiomar de Grammont, que, em 2015, dividiu o espaço com o professor Uelinton Alves. Dentro da programação literária aconteceu também a Flinkinha, cujo objetivo foi criar uma programação voltada para o público infantil e teve atrações como troca de livros, contação de histórias e apresentações de palhaço e malabarista.

- Espaço para Editoras e Editora UniPalmares
Local: Salão de Atos
Espaço dedicado a eventos literários conduzidos pela Editora UniPalmares, como rodas de conversa, saraus e lançamentos de livros. Dentro desse espaço, também tínhamos uma área do CIEE, um dos patrocinadores do evento, que ofereceu oportunidades de estágio e cadastrou estudantes para compor o seu banco de dados.

- Mostra de Cinema
Local: Campus Memorial da Uninove
A Mostra de Cinema teve como objetivo ser uma janela para produções audiovisuais protagonizadas por negras e negros seja à frente ou por trás das câmeras. Sendo assim, tivemos dentro da programação programas e documentários oriundos do Acervo da TV Cultura, curtas atuais de realizadoras negras e negros, além de exibições de programas web de vlogueiras. A curadoria foi realizada pelo cineasta Renato Cândido.

- Empoderamento da Mulher Negra
Local: Tenda na Praça Cívica
Convidados conduziram debates e workshops sobre questões coletivas, de viés político e social. Entre os temas escolhidos, destaque para a moda, que teve abordagem relacionada ao mercado plussize e os impactos na construção da autoestima e do empoderamento das mulheres, e às características do afroconsumo. Um destaque se deu para os desfiles com releituras contemporâneas de africanidades e a presença de modelos plussize, afirmando a quebra de paradigmas da beleza.

***Troféu Raça Negra

Reconhecido internacionalmente e integrado ao calendário oficial da cidade de São Paulo, o Troféu Raça Negra é o maior evento da negritude no Brasil, considerado o “Oscar” da comunidade negra. Martinho da Vila, Nelson Mandela, Emílio Santiago, Martin Luther King Jr, Jair Rodrigues e Milton Nascimento, Michael Jackson, Wilson Simonal e Cartola foram os grandes homenageados nas edições anteriores do prêmio.

A homenageada da noite:
A homenageada desta edição do troféu foi Elza Soares, dona de uma das maiores vozes brasileiras de todos os tempos, que voltou à cena recentemente e em grande estilo, com o elogiado álbum “A mulher do fim do mundo”. Eleita em 2000 como a “Melhor Cantora do Milênio” pela BBC, de Londres, e do alto dos suas seis décadas de carreira, Elza Soares vive atualmente a apoteose de uma vida dedicada à música com palcos uma “ópera” emocional que retrata as mazelas da sociedade, instigando o espectador à reflexão sobre a condição do indivíduo em uma sociedade violenta com críticas social e política da realidade brasileira e por que não do mundo.

Feminista e autêntica, Elza já enfrentou poucas e boas nesta sociedade machista. De voz inconfundível esta diva transformou as agruras da vida em belas canções e ao receber o convite para ser a grande homenageada da décima quarta edição do evento e a “Rainha da música brasileira”, como é conhecida em todo o mundo não titubeou ao dar o seu “sim”.

O roteiro da noite:
Os convidados entravam pela porta principal da Sala São Paulo e eram direcionados aos seus lugares para aguardar o início da cerimônia. Para os patrocinadores e convidados Vips, montamos uma estrutura apartada com um coquetel de recepção para fotos oficiais e entrevistas.

A abertura da noite se deu por conta do barítono David Marcondes, componente do Coral Lírico do Teatro Municipal de São Paulo, entoando o Hino Nacional. Em seguida, os apresentadores Erico Brás, Kênia Mara, Lidi Lisboa e Fabio Rhodem deram sequência ao evento como mestres de cerimônia.

A presença do reverendo Jesse Jackson, um dos principais nomes na militância pelos direitos dos negros em todo o mundo, foi um momento de grande emoção e exaltação. Ele, que é Senador e atuou junto à Martin Luther King, pregando a não violência e o amor ao próximo, galgando sempre a igualdade para todos, destacou em seu discurso que os brasileiros devem aproveitar as oportunidades que a vida proporciona, e não devem se contentar em serem destaques apenas no futebol.

"Negros são maioria absoluta neste país. Não podem e não devem, deixar de lutar. Agarrem-se às oportunidades", disse ele, que foi aplaudido em pé.

Outro grande destaque da premiação foi a judoca Rafaela Silva. Carioca da Cidade de Deus, ela voltou a citar o preconceito que sofreu ao longo da carreira, principalmente na olimpíada em que foi eliminada e chamada de macaca.

"Eu nunca desisti dos meus sonhos, por mais que tentassem me colocar pra baixo. Tenho orgulho da minha cor, da minha origem. Hoje eu me orgulho ainda mais porque a macaca saiu da jaula e trouxe o ouro olímpico para o país".

A homenageada da noite, Elza Soares foi reverenciada por diversos cantores, entre eles B Negão, Chico Cesar, Liniker e Rubi. Elza cantou duas musicas, encantou, e foi breve em seu discurso de agradecimento.

"Muito obrigada! Eu sou negra! Eu sou negra! Eu sou negra!", repetiu ela por diversas vezes.

Na plateia, diversas personalidades aplaudiram a premiação, entre eles o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, Aline Prado, do Vídeo Show, o apresentador do SporTV Thiago Oliveira, o grupo Vou Pro Sereno, a sambista Simone Sampaio e diversos alunos da Universidade Zumbi dos Palmares.

Confira a relação dos premiados:
1) Arlindo Cruz – Cantor
2) Arnaldo Niskier – Escritor, Academia Brasileira de Letras
3) Carmem Lúcia – Presidente do STF
4) Claudio Lamachia – Presidente do Conselho Federal da OAB
5) Domicio Proença – Presidente da Academia Brasileira de Letras
6) Elza Soares – Cantora
7) Francisca Macena – Chefe de Gabinete da Prefeitura de São Paulo
8) Kim Cape – Secretária Mundial de Educação Metodista
9) Rafaela Silva – Medalha de Ouro nas Olimpíadas Rio2016 – Judô
10) Raissa Santana – Miss Brasil 2016
11) Raul Botelho – Tenente Brigadeiro do AR
12) Rodney Willians – Vice-Presidente da Microsoft Brasil
13) Sabrina Paiva – Miss São Paulo 2016
14) Sheila Cristina Nogueira – Mãe de Carlos Eduardo, rapaz de 19 anos vítima fatal de bala perdida na cidade do Rio de Janeiro
15) Tia Eron – Deputada Federal (BA)

Galeria de imagens

 

Desafio 1: Como auxiliar, organizar e operacionalizar um evento tão cheio de detalhes que em praticamente todas as edições passadas havia sido realizado diretamente pelas equipes da Faculdade Zumbi dos Palmares e Afrobras?
A solução foi “mergulhar de cabeça” no projeto, pegando o máximo de informações possíveis, fazendo reuniões semanais com a equipe de coordenação de conteúdo e criando métricas para que a informação ficasse amarrada de forma que pudéssemos controlar qualquer empecilho que aparecesse.

Desafio 2: Como triplicar nossa equipe de produção de forma econômica, já que o cliente tinha o desafio de lidar com verbas públicas?
A solução foi fazer uma pré-seleção de alunos voluntários da própria Universidade e conseguimos, aproximadamente, 40 ajudantes. Fizemos entrevistas com todos para levantarmos características como: especialidade, idioma (pois algum eram angolanos ou africanos), cordialidade, dentre outras características selecionadas para que pudéssemos dividi-los com a nossa equipe. Para cada área do evento havia um ou dois produtores da Alternativa F que coordenavam esses voluntários de forma organizada.

Desafio 3: Como fazer a equipe de curadoria e organização dos 2 eventos, aproximadamente 18 pessoas, falarem a mesma língua e estarem bem divididos no evento a fim de solucionar apenas o que lhe cabia?
A solução foi montarmos uma apresentação em Power Point que contava passo a passo da equipe do evento, incluindo a equipe da Universidade, para assim estarmos alinhados e para que pudéssemos trabalhar de forma organizada. Antes do evento fizemos uma reunião geral com toda a equipe, aproximadamente, 40 pessoas envolvidas, que durou cerca de 7 horas.

Por ser um evento único em São Paulo, que foca a inclusão social, houve muita repercussão de mídia em diversos canais de renome, confira algumas reportagens abaixo:

http://www.educacao.sp.gov.br/noticias/sao-paulo-recebe-festival-de-literatura-e-cultura-afrodescendente-em-novembro

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/11/1834381-elza-soares-e-homenageada-com-trofeu-raca-negra-na-sala-sao-paulo.shtml

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-11/carmen-lucia-e-uma-das-homenageadas-no-trofeu-raca-negra

http://noticias.r7.com/sao-paulo/personalidades-prestigiam-evento-sobre-cultura-afro-e-lancam-trofeu-raca-negra-01082016

Além das reportagens, diversas empresas apoiaram o evento e a causa negra como patrocinadores, são elas: Revista Caras, Coca-Cola, Banco Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Economica Federal, Maganize Luiza, Santander Univerdidades e E.M.S.

Ambos os eventos contaram com os apoios do Governo do Estado de São Paulo e da Prefeitura de São Paulo, facilitando a utilização dos espaços e vias públicas.

Uma das ações mais importantes de engajamento foi a “Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial” que aconteceu no Hotel Renaissance e teve a presença de representantes de empresas como Bradesco, Google, Magazine Luiza e Santander. O acordo assinado durante o evento marcou o início do projeto que prevê igualdade de oportunidades na ocupação de vagas das companhias. O objetivo do projeto é promover uma reflexão sobre a geração de avanços mais significativos em relação à presença do público negro no âmbito empresarial, criando cursos e bancos de talentos, em parceria com o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) e o Ministério da Educação. Além disso, a iniciativa visou discutir o cenário brasileiro, em que mais de 50% da população se declara negra, mas apenas 4,9% de negros figuram entre executivos de grandes empresas. Sendo assim, o projeto previu a busca por soluções para a questão do negro e o papel das empresas nesse tema.

O retorno dos evento teve um excelente resultado que pudemos verificar através dos seguintes leads:

A Flink Sampa teve mais de 1.500 visitantes por dia e todas as palestras do Seminário e Literatura foram cheias com mais de 80% de sua capacidade

Como medidor do volume do evento, resgatamos uma reportagem do Memorial da América Latina, onde João Batista de Andrade comprova que o movimento do local aumentou para mais de 1 milhão de frequentadores devido ao culto popular. Nessa mesma reportagem ele cita como parte da programação a Flink Sampa.
Fonte: http://vejasp.abril.com.br/cultura-lazer/memorial-da-america-latina-renova-atracoes/

O Troféu Raça Negra preencheu os mais de 1.000 lugares da Sala São Paulo tendo como presentes autoridades como: o reverendo Jesse Jackson - um dos principais nomes na militância pelos direitos dos negros em todo o mundo, a Ministra Carmen Lúcia, o Governador Geraldo Alckmin, dentre diversas outras.

No evento, Alckmin agradeceu José Vicente, reitor da Universidade Zumbi dos Palmares, pelo convite e disse que o troféu Raça Negra “é uma homenagem a negros e não-negros que lutam pela inclusão, empoderamento e inserção social e econômica de afrodescendentes”. O governador também destacou a participação da Afrobrás e da Universidade Zumbi dos Palmares, “que leva educação superior e inserção no mercado de trabalho” para a população negra.

 

Compartilhe: Twitter Facebook Linkedin Plaxo Youtube