Prêmio Caio Sustentabilidade

Prêmio Caio 17ª Edição

Case: 53º COBEM - CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO MÉDICA
Candidato: Planeventos
Cliente: ABEM - Associação Brasileira de Educação Médica
Segmento: Eventos
Estado: RJ
TROFÉU LEVITATUR
Categoria: Congresso Nacional
 
Capa Apresentação Conteúdo Apresentação de inovações tecnológicas e estratégias indicando Desafios e Soluções Retorno sobre investimento, geração de negócios e outros indicadores econômicos

APRESENTAÇÃO

Título: 53º COBEM – Congresso Brasileiro de Educação Médica

Tema: “Educação Médica e Cuidados na Saúde: Uma Rede em Movimento”

Entidade Promotora: ABEM – Associação Brasileira de Educação Médica

Entidades Apoiadoras: OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde), OMS (Organização Mundial da Saúde), Ministério da Saúde, UERJ (Universidade do Estado do RJ), CFM (Conselho Federal de Medicina), CREMERJ (Conselho Regional de Medicina do RJ) e FIOTEC (Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde)

Local: Centro de Convenções Sul América - RJ

Data: 07 a 10 de novembro de 2015

Participantes: 2.634

Quantidade de Trabalhos Submetidos:1.807 (562 oral e 1.245 pôster)

Quantidade de Trabalhos Aprovados: 843 (143 oral e 700 pôster)

Quantidade Total de Palestrantes e Convidados: 185

Quantidade Total de Expositores:17

Estandes Institucionais: 5 (ABEM, MS - Ministério da Saúde, CFM - Conselho Federal de Medicina, DENEM - Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina e IFMSA - International Federation of Medical Students Associations)

Estandes Comercializados: 12 (AD Instruments, BMJ - British Medical Journal, Civian Brasil, Laerdal, Fiocruz, Hospital Sírio-Libanês, Macrosul, Tecnosimbra, Paltex/OPAS, CEPESC -Centro de Estudos,Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Saúde Coletiva, Cooperbook e Bazar OP)

Galeria de imagens
Secretaria
Estande ABEM
Equipe
Público
Público
Estande Paltex/OPAS
Estande CEPESC
Estande Civian Brasil
Estande Laerdal
Estande IFMSA
Sessão de Pôsteres
Sessão de Pôsteres
     

 

CONTEÚDO

Por que devemos vencer nesta categoria?

A Planeventos acredita que deve vencer na categoria Congresso Nacional com o case 53º COBEM, porque é uma empresa joinvilense que organizou a edição anterior em sua cidade e pelo trabalho realizado foi escolhida para organizar a edição seguinte na cidade do Rio de Janeiro/RJ. Foram muitos os desafios, a começar pela distância!
A logística, o não conhecimento do mercado e principalmente dos fornecedores, também foram fatores que aumentaram ainda mais a complexidade deste case, pois organizar um evento no seu “habitat natural” onde você domina o conhecimento do espaço, dos fornecedores, da logística é uma coisa, mas organizar em um Estado diferente, onde o mercado é diferente é muito mais difícil, mas não impossível!
Além desses desafios, ainda foi preciso superarmos a comparação entre a organização da 52ª edição feita em Joinville e a 53ª edição feita no Rio.
Mas com muito trabalho, dedicação e comprometimento vencemos todos os obstáculos e conseguimos organizar com excelência um evento fora da nossa cidade.


A ENTIDADE – ABEM

Com mais de 50 anos de existência a Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM) tem se consolidado como entidade representativa de construção e defesa da educação médica de qualidade. Tem como MISSÃO promover o desenvolvimento da educação médica no país, visando à formação dos médicos capazes de atender às necessidades de saúde da população, contribuindo para o fortalecimento do SUS e para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.


CONCEITO DO EVENTO - COBEM

O COBEM (Congresso Brasileiro de Educação Médica) é o maior evento de abrangência nacional desenvolvido pela ABEM (Associação Brasileira de Educação Médica). Com periodicidade anual, o COBEM representa um espaço fundamental para o desenvolvimento do conhecimento, formação de vínculos e redes entre profissionais e estudantes.
A 53ª edição foi sediada pela cidade do Rio de Janeiro e realizado pela Regional Rio de Janeiro/Espírito Santo da ABEM, contando com a participação ativa de todas as escolas se Medicina da região. O evento conta sempre com muita discussão a respeito do ensino da medicina, agregando os vários atores das universidades brasileiras: coordenadores, professores, preceptores, estudantes e profissionais da saúde, interessados em refletir e planejar os novos rumos para a educação médica no Brasil.
O evento foi além das discussões e permitiu uma troca de experiência essencial para os avanços da medicina brasileira. Contou com a participação de 2.634 participantes, nacionais e internacionais, e desenvolveu atividades que possibilitaram grande integração entre os congressistas visando a troca de experiências e a construção coletiva de instrumentos e consensos que servissem como referência nos diversos campos de ação da educação e da saúde.


DESAFIOS E SOLUÇÕES

Depois de muitos anos, o COBEM volta ao Rio de Janeiro em um momento sensível, de incertezas no cenário nacional e muitos desafios para a saúde. Com uma intensa divulgação da programação científica, o evento obteve a presença expressiva de estudantes, residentes, docentes e profissionais de saúde de diferentes categorias, o que foi fundamental para a construção de debate ampliado gerando produtos de interesse. A programação científica do evento oportunizou espaços de aprendizagem ativa, abordando temas contemporâneos e desafiadores para a formação de profissionais de saúde em sintonia com as necessidades da população, contemplando os recentes marcos legais.


PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

Na programação tivemos 100% de sucesso em relação aos objetivos propostos e o cronograma de atividades desenvolvido na programação, considerando os seguintes números: 22 mesas redondas, 9 fóruns, 6 painéis, 10 oficinas, 9 grupos de estudos e 2 reuniões conforme especificamos abaixo:

22 MESAS REDONDAS:
1)Aplicação das DCN de 2014: Desafios, limitações e avanços;
2)Políticas de expansão das escolas médica;
3)Ensino de urgência e emergência na perspectiva das novas DCN;
4)AS práticas complementares e integrativas na formação médica;
5)Acesso aos programas de residência médica;
6)Saúde coletiva na formação médica;
7)Saúde no combate às opressões: identidade de gênero e orientação sexual;
8)Residência médica a partir da Lei dos mais médicos;
9)O Financiamento ou mercantilização do ensino médica;
10)Cuidados paliativos na formação médica;
11)A educação permanente de profissionais para o ensino médico;
12)Cuidados e integralidade nas redes de atenção à saúde;
13)Avaliação Seriada;
14)Qualidade de vida e saúde mental do estudante;
15)Políticas de provimento: Mais Médicos, PROVAB e Serviço Civil Obrigatório;
16)Os desafios da estruturação e dos contratos organizativos (COAPES);
17)Políticas afirmativas por cotas no acesso à universidade;
18)Opressão institucional e violência no âmbito universitário;
19)Estratégias e internacionalização: um processo em construção
20)Participação do setor privado da saúde e na formação dos alunos;
21)O PET saúde e Pró-saúde: política de incentivo à integração teórica pratica;
22)Acolhimento ao ingressante: propostas para uma recepção saudável na escola médica;

9 FÓRUNS:
1)Políticas de assistência e permanência estudantil;
2)Projeto Preceptores: Avaliação e Perspectivas Centro (colaboradores e Referência);
3)A integração do internato e da residência médica como estratégia de ensino na APS;
4)Fórum: O ensino da bioética: Possibilidades e desafios;
5)IX – Fórum do Serviços de Apoio aos Estudantes e ao Médico Residente: O serviço de apoio em rede de interlocução;
6)Avaliação Institucional;
7)Intercâmbios de medicina;
8)Atividades de extensão: tecendo redes para além da universidade;
9)Pesquisa científica na graduação e na residência Médica;

6 PAINÉIS:
1)Tomada de decisões baseadas em evidências;
2)Importância do internato no estímulo à interiorização do acesso à saúde;
3)Desenvolvimento docente e profissionalização;
4)O Ensino da Atenção Primária em Saúde/APS nas Faculdades Médicas;
5)Experiências de capacitação em tutoria;
6)A espiritualidade no currículo médico;

10 OFICINAS:
1)Metodologias ativas de ensino para grandes grupos;
2)Avaliação formativa;
3)Mapa conceitual como ferramenta de aprendizado e avaliação;
4)Habilidades de comunicação (Problem Based Interview – PBI);
5)Ambiente virtual de aprendizagem – aplicativos e e-learning;
6)Portfólio: como utilizar essa ferramenta?
7)Sistema de Acreditação de Escolas Médicas – SAEME;
8)Competências para APS – a prática generalista (MFC) na graduação e na residência;
9)Ferramentas para preceptoria em MFC para graduação e residência;
10)Morte e atendimento a pacientes terminais;

9 GRUPOS DE ESTUDO:
a)Ferramentas de intervenção artística em saúde e encontro de palhaços da saúde;
b)Ligas acadêmicas e extensão com projetos de prevenção a doenças;
c)Filosofia Políticas em Saúde;
d)Inserção da espiritualidade no currículo dos cursos de graduação em medicina;
e)Quem conta um conto, aumenta um ponto tecendo a rede de pesquisadores de narrativas na saúde;
f)Inserção Curricular do Tema Segurança do Paciente nos cursos de Graduação em Saúde;
g)Oficina de elaboração de matrizes de competências para Residência Médica;
h)Reunião Grupos de Trabalho Ensinagem SBMFC;
i)Serviços de apoio ao estudante: a construção de uma rede nacional

2 REUNIÕES:
a)Reuniões das Regionais ABEM (Centro Oeste. Minas Gerais, Sul I, Sul II, Norte, Nordeste, RJ/ES e São Paulo)
b)Encontro – Reunião do órgão Executivo da DENEM (ROEX)


DIFERENCIAL

De maneira inovadora, a Comissão Científica do 53º COBEM lançou edital para submissão de Oficinas com o intuito de oportunizar uma ampla participação na construção do evento. Recebemos o número significativo de 66 propostas evidenciando expressivo movimento de inovação na formação médica no país. Foram aprovadas 35 para fazerem parte do pré-congresso.


ATIVIDADES PARALELAS E A DESCRIÇÃO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS

No Pré-Congresso foram oferecidas 35 oficinas relacionadas aos Projetos ABEM e demonstraram potencial para se constituírem em linhas de pesquisa. Assim, durante o congresso, houve várias atividades nomeadas Grupos de Estudo. O intuito foi oferecer um espaço de reunião de pessoas que, tendo interesse comum por determinado assunto, tivessem a oportunidade de trocar ideias e experiências a respeito do mesmo tema. O propósito deste primeiro encontro foi estimular que outros pudessem ser agendados virtual ou presencialmente, pela formação de uma rede e alcance de objetivos compartilhados.



O evento contou também com a participação importante dos alunos das instituições de ensino para auxiliarem em tarefas ligadas ao congresso e principalmente a Relatoria do evento. Os "Anjos" como são carinhosamente chamados, colaboram com os palestrantes, auxiliando-os em suas apresentações, fazem um receptivo caloroso nos hotéis e aeroportos para receber convidados/palestrantes nacionais e internacionais, dão suporte na exposição dos pôsteres, enfim, são literalmente verdadeiros "Anjos" no congresso!

Para a solenidade de abertura fomos agraciados com a “ Conferência de abertura do 53º COBEM” proferida pelo Professor José de Jesus Peixoto Camargo, como Tema “ O Médico que somos é o melhor que conseguimos ser?!”
O Professor JJ Camargo, como é conhecido nacional e internacionalmente, é a maior experiência em “transplantes de pulmão” em nosso pais e, talvez, em toda a América Latina. Sua Conferência encantou a todos os presentes no Teatro Odylo Costa Filho da UERJ (onde ocorreu a solenidade de abertura), ao descrever, de forma simples, afetiva, plena de relatos de vivências como médico, professor e gente, como a Medicina na prática diária, sendo Arte e Ciência ao mesmo tempo, pode enriquecer nossas vidas e contribuir para tornar todos nós (médicos, pacientes, estudantes e professores) melhores pessoas! A enorme quantidade de alunos, em grupo, procurando se fotografar ao lado dele, após o término da solenidade, foi o grande indicador de impacto do humanismo da palestra!

ATIVIDADES CULTURAIS E ARTÍSTICAS
O 53º COBEM propôs aos seus participantes as seguintes atividades culturais:

07/11/2015 – CERIMÔNIA DE ABERTURA:
Apresentação – Orquestra Maré do Amanhã & Grupo Passinho

09/11/2015 – EVENTOS:
01 – Divulgação do livro: “O pior médico do mundo”
Autor: Gerson Salvador
02 – Festa: Prescrevendo Música

10/11/2015 – SHOW DE ENCERRAMENTO:
Apresentação – Escola Embaixadores da Alegria


MATERIAIS DISTRIBUÍDOS

Os materiais distribuídos no evento foram: sacola, crachá, programação oficial, bloco de anotações, caneta e agenda com apresentação dos trabalhos científicos (oral e pôster). Os certificados foram disponibilizados por meio online, entregando no evento somente para palestrantes, coordenadores de mesa e avaliadores. Fizemos também camisetas que foram distribuídas para a equipe de trabalho e comissão organizadora.

Galeria de imagens
Palestras
Palestras
Grupos de Estudo
Palestras
Mesa Redonda
Debates
Folder Programação 1
Folder Programação 2
Crachá
Crachá Azul
Certificado
Capa Agenda de Trabalhos
Agenda Trabalhos 1
Agenda Trabalhos 2
Agenda de Trabalhos 3
Camiseta
       

 

Como inovação em um congresso que vem se realizando há 52 anos, na 53ª edição trouxemos a novidade do LABORATÓRIO DE HABILIDADES E SIMULAÇÃO (LHS) através do conhecimento e articulação do Professor Silvio Pessanha Neto.

Como já é sabido o COBEM tem como objetivo reunir docentes e discentes de instituições de ensino superior (IES) de todo o Brasil para discutir as estratégias para qualificar o ensino e, consequentemente, a formação dos médicos do nosso pais. Uma das ferramentas do maior impacto no processo ensino-aprendizagem é o Laboratório de Habilidades e Simulação (LHS).
O Laboratório de Habilidades representa uma alternativa de apoio pedagógico, atuando como uma atividade antecipatória das práticas de treinamento de habilidades com o paciente, preparando o estudante para o exercício técnico e intelectual de sua futura profissão, pautado nos preceitos da bioética. Na década de 1960, o ensino médico vigente provocava insatisfações em muitas comunidades acadêmicas internacionais. Surgiram, então, algumas experiências bem sucedidas de inovações curriculares em oposição ao modelo tradicional de currículo médico. Elas tinham em comum, entre outras características: ensino centrado no aluno, que tinha participação ativa no desenvolvimento de objetivos educacionais definidos; adoção da metodologia do aprendizado baseado em problemas; currículo integrado; desenvolvimento simultâneo do conhecimento e das competências; diversificação dos cenários de ensino-aprendizagem e inserção precoce dos alunos em atividades profissionais. Essas inovações metodológicas e estratégicas do currículo médico propiciaram, na década seguinte, a criação de um cenário que pudesse viabilizar e sediar essas transformações: o Laboratório de Habilidades e Simulação (LHS). Desta forma, várias escolas médicas, baseadas na experiência que se instalava, se mobilizam para criar seus próprios LHS. Observamos que, além da aquisição de diversos manequins, é necessária uma equipe dedicada e com capacidade para produzir metodologias para o desenvolvimento das mais variadas atividades práticas de integração básico-clínica. Entre os primeiros sinais de êxito dessa nova ferramenta de ensino, está a incontestável mudança da postura do aluno quanto à segurança com que executa ações médicas, desde a coleta eficiente e reflexiva da anamnese até a dissecção de uma veia profunda ou a realização de manobras de ressuscitação cardiopulmonar.
Durante o planejamento e organização do 53º COBEM propusemos o desafio de montar um LHS-COBEM 2015 dentro do evento. Para isso, seria necessário um espaço que comportasse uma sala de discussões teóricas, para recepção dos participantes e introdução de protocolos consensuais, uma sala de Habilidades específicas, como intubação orotraqueal, punções venosas, exame do ouvido (otoscopia), exame dos olhos (oftalmoscopia), ressuscitação cardiopulmonar, dentre outros, e uma sala de Simulação realística, onde pudessem ser utilizados robôs, que reproduzem um paciente real reagindo ao uso de medicações e intervenções clínicas. Sendo assim, a organização do evento disponibilizou um espaço de 200 m², providenciou divisórias e viabilizou os 3 espaços necessários. (FIGURA 1)

Para organizar os turnos e horários de utilização do LHS-COBEM 2015, a organização do evento enviou para todos os congressistas inscritos um formulário de inscrição, respeitando a capacidade máxima de cada sessão.

Todos os participantes começavam pela sala 1 (auditório). Em seguida, eram divididos em 2 grupos. Um seguia para a sala de Habilidades e ao outro para a sala de Simulação. Ao término de 30 min. os grupos alternavam e sala. Por fim, voltavam para o auditório, para as considerações finais, eram liberados e outros participantes entravam para a sessão seguinte, que ocorria da mesma forma. Foram oferecidas 2 sessões no primeiro dia e 3 sessões no segundo.

No terceiro e último dia, o LHS-COBEM 2015 foi utilizado para oferecer um curso hands-on de uso de ultrassonografia a beira do leito e um outro formulário foi disponibilizado para que os congressistas, interessados, se inscrevessem.

Ao longo do evento foram atendidos mais de 300 participantes, tendo sido considerado por eles, no preenchimento do questionário de avaliação, o LHS-COBEM 2015, o grande diferencial do congresso. A repercussão foi excelente, permitindo difundir a metodologia e expor os discentes e docentes a vivencia de um LHS em pleno funcionamento, como se estivessem dentro de uma Universidade, o que culminou com o convite para que o grupo de Coordenadores do espaço pudessem instalar e operar um novo LHS no COBEM 2016, que será realizado em Brasilia/DF dos dias 12 a 15 de Outubro de 2016. Sendo assim, entendemos que o LHS-COBEM 2015 foi uma das maiores inovações da história dos eventos COBEM e que servirá de referência para os próximos que virão.

Galeria de imagens
FIGURA 1
Planta
Planta
LHS
LHS
LHS
LHS
Simulação
   

 

CARACTERÍSTICAS INSTITUCIONAIS

A Associação Brasileira de Educação Médica – ABEM foi fundada em 21 de agosto de 1962, sendo considerada de utilidade pública pelo Decreto nº 64.571, de 23 de maio de 1969, da Presidência da República. Tem como missão promover o desenvolvimento da educação medica do País, visando a formação de médicos capazes de atender as necessidades de saúde da população, contribuindo para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde e para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. A ABEM é constituída por associados Institucionais e individuais.
Para atingir seus objetivos a ABEM promove anualmente o Congresso Brasileiro de Educação Médica/COBEM, congressos, fóruns, seminários e encontros regionais. Publica revistas, livros e boletins visando aprofundar temas relevantes para a Educação Médica e a Educação em Saúde no Brasil.

Como trata-se de entidade sem fins lucrativos a ABEM não promove o COBEM a fim de gerar negócios. Todos os recursos provenientes de projetos e aquisição de estandes, bem como os recursos provenientes das inscrições no evento são destinados a cobrir os custos do próprio evento.

 

Compartilhe: Twitter Facebook Linkedin Plaxo Youtube